Rubens Bento nasceu em 1941 em Jaborandi, cidade próxima a Barretos (SP). Veio para Londrina com a família em 1948, e estranhou o clima muito frio e o barro na época das chuvas. Contou que caminhava  sete quilômetros para estudar, no primário. Destacou-se entre os alunos e ganhou uma bolsa de estudos do Rotary Club à época. Com isso, conseguiu fazer um curso profissionalizante de contabilidade. Trabalhou na J. Coleto Comércio e Exportação de Café entre 1961 e 1963, e conta que viajava pela empresa para várias regiões do Paraná. Testemunhou os efeitos dos incêndios de 1963 na região de Londrina e também em outras regiões do estado. Em seu depoimento, gravado na Casa do Empreendedor em Londrina, Rubens também lembrou sobre a erradicação do Café no estado e os efeitos da geada de 1975

Assista ao depoimento completo:

Entrevista: José Luiz Alves Nunes.

Imagens e edição: Fernando Bianchi.

1 Comentário

  1. 6-29-2019

    Estou com 81 anos de idade e lembro-me muito bem de outro incêndio, no Paraná, por volta de 1946/47. Morávamos em Porto Alegre e, por muitos dias não se enxergava o sol. Uma espécie de bruma se espalhava no ar e, por último, as roupas estendidas nos varais ficavam com uma espécie de fuligem bem miúda. Naquele tempo as notícias custavam a chegar ao nosso conhecimento, mas lembro que o ‘fenômeno’ foi explicado como resultado de “grandes incêndios nos pinheirais do Paraná”.
    Já tentei constatar isso, mas não obtive nenhuma resposta. Você sabe de algo?

Deixe uma resposta para Ivonita Di Concílio Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *